terça-feira, 18 de dezembro de 2012

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Por Favor, Leonor!

Por Favor, Leonor!
de Marie-Louise Gay
Edição/reimpressão: 2007
Páginas: 32
Editor: Livros Horizonte
Coleção: Álbuns

Sinopse

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para a Educação Pré-Escolar, destinado a ler em voz alta/contar/trabalhar na sala de aula.

E se tivesses uma irmã mais nova tão chatinha que nunca te largasse, nunca parasse de mexer nos teus brinquedos e que te seguisse para onde quer que fosses? Assim é Leonor, a irmã de Jorge. Jorge desespera, suplica e deseja com todas as forças que a irmã desapareça ou que o deixe sossegado ou ainda que se transforme num… Ups! E agora, Jorge?! Vem descobrir o que aconteceu à Leonor depois do desejo do seu irmão!...

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

domingo, 4 de novembro de 2012

Festa do acolhimento

miminho, fruto da minha festa do acolhimento realizada no dia 04 de novembro de 2012

sábado, 27 de outubro de 2012

Cartão de leitor da Sofia




O desafio proposto pela biblioteca, foi criar uma identidade para a nova amiga.
Então eu, criei o cartão de leitor da biblioteca municipal.
Agora sim, já posso devolver a mala dos caminhos de leitura, junto com a Sofia, o seu cartão e a sua  bolsinha.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

A minha nova amiga.


Esta é a minha nova amiga, ela viveu este ultimo mês em minha casa, foi com ela que eu partilhei todas as histórias que a mala dos caminhos de leitura trazia.
Chegou o momento da despedida.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Caminhos de Leitura



Está a chegar o momento de devolver esta malinha de livros à biblioteca municipal de Pombal.
Neste ultimo mês, tive a companhia destas magnificas histórias e da minha nova amiga "Sofia"

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

"Meu Papá é Grande, é Forte, Mas... "


Meu Papá é Grande, é Forte, Mas...
Saudo, Coralie; Giacomo, Kris Di (Ilustr.)
Preço: 10,00 €

28 páginas
Data de publicação: 2012/09
Editor: Dinalivro

Público-alvo: Crianças a partir dos cinco anos, pais, avós, professores e educadores.


Sinopse

Todas as noites é sempre a mesma coisa. Este papá de gravata e com um ar exausto não quer ir para a cama e faz uma grande birra antes de se ir deitar.

Por fim, depois de muitas negociações e de voltas e mais voltas pela casa toda, lá se consegue levá-lo. Mas ainda é preciso ler-lhe um livrinho antes da fatídica pergunta do costume: «Alexandre, meu filho, posso dormir na tua cama?» Nesta história contada ao contrário, a inversão dos papéis diz-nos que um pai pode ser realmente grande e forte – como se constata no exercício de puro deleite em que consiste a visualização das ilustrações –, mas nem por isso deixa de precisar de colo ou de ter medo do escuro.

O lado mais frágil da idade adulta consumada na paternidade alcança neste livro a doce melancolia de um tom sépia, que nos diz metaforicamente aquilo que poucas vezes deixamos transparecer.

"Os Cães não Dançam Ballet"


Os Cães não Dançam Ballet

de Anna Kemp
Primeiras Leituras
Edição/reimpressão: 2010
Páginas: 32
Editor: Livraria Civilização Editora
Coleção: Álbuns de Encantar
Faixa etária: a partir dos 5 anos

Sinopse

Este cão não é como os outros: não faz coisas de cão, como fazer chichi nos postes, coçar-se ou beber água da sanita. Não, este cão gosta do luar, de música e de dançar na ponta dos pés. Este cão pensa que não é um cão, mas sim uma bailarina. Um livro fabuloso e engraçado sobre um cão pequeno com uma grande personalidade e sonhos ainda maiores.

"A Fada-Bruxa"


A Fada-Bruxa
de B. Minne, C. Cneut
Edição/reimpressão: 2005
Editor: Edições Kual

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o 2º ano de escolaridade destinado a leitura autónoma e/ou leitura com apoio do professor ou dos pais.

Rosinha é uma fada que vive com a mãe num castelo dourado em cima de uma nuvem. Ser fada, porém, é algo que a aborrece, porque, como têm de estar sempre bonitas e limpas, as fadas não podem andar de patins ou de barco, nem fazer migalhas quando comem. É por isso que um dia decide que já não quer ser assim, antes prefere ser bruxa para poder gritar, rir, andar de barco e sujar-se à vontade. Muito irritada com este desejo, a mãe de Rosinha manda-a então para a Floresta das Bruxas, esperando que esta se arrependa e volte para casa…

"A Princesa e a Porquinha"


A Princesa e a Porquinha

de Poly Bernatene, M. Santos Correia
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 36
Editor: Livros Horizonte
Coleção: Álbuns
 
Sinopse

Será possível uma porquinha tornar-se numa princesa? Uma terrível confusão teve lugar no Palácio Real! Priscila, a Princesa, trocou de lugar com Porcília, a porquinha. Será obra das fadas? É o tipo de coisas que está sempre a acontecer nos livros. Mas este é um conto de fadas sem fadas e não é um livro vulgar…
 
Então reza a história que...

Uma princesa é trocada acidentalmente por uma porquinha. Os reis, seus pais, acham normal a princesa ter-se “transformado” numa porca, esta é uma situação que está sempre a acontecer nos livros, pois existem as fadas más que estão constantemente a lançar feitiços às filhas dos reis!

Por seu turno, os pastores (donos da porca) também acham normal a porca ter-se “transformado” numa princesa, afinal existem fadas boas e eles há tanto tempo que desejavam um filho! Portanto, um desejo realizado. Assim, passaram-se anos e anos, e a filha dos pastores cresceu feliz e sem luxos e a porca com todos os luxos dignos de uma princesa, os quais refira-se não sabia apreciar! Passado algum tempo, chegou à aldeia a história dos reis e da sua filha porca. Os pastores, que eram pessoas honestas, deduziram logo o que acontecera: a princesa havia sido trocada pela porca deles! Então dirigiram-se à aldeia com o objectivo de devolverem a “sua” filha aos verdadeiros pais. E é nesta etapa da história que acontece algo hilariante: Os reis recusam-se a aceitar aquela menina e acusam os pastores de impostores!

Então os pastores voltam à aldeia, com a “sua” filha que cresceu rodeada de muito amor, casou e foi muito feliz e NUNCA DESEJOU SER PRINCESA! Afinal não precisamos de estar rodeados de luxo e riqueza para estarmos bem e sermos felizes.

O rei casou a “sua filha” porca na esperança de que um beijo do amado a transformasse novamente na princesa que um dia havia sido (afinal isto também está sempre a acontecer nos livros). Obviamente que, por mais beijos que o príncipe desse, a porca seria sempre porca e os reis acabaram por ser vítimas do seu preconceito em relação aos pastores!

É um livro muito divertido, dirigido a um público com a faixa etária entre os 4 e os 10 anos, para além da história que está muito bem construída e conseguida, a linguagem é simples, as frases curtas e as imagens irresistíveis!

"Âmbar, a Fadazinha Cor de Laranja"


Âmbar, a Fadazinha Cor de Laranja
de Daisy Meadows
Edição/reimpressão: 2007
Páginas: 80
Editor: Verbo
Coleção: A Magia do Arco-Íris

Sinopse
Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o 3º ano de escolaridade destinado a leitura autónoma e a leitura com apoio do professor ou dos pais.

Uma nova colecção dedicada aqueles que estão a dar os primeiros passos no mundo dos livros de texto (crianças dos 7 aos 10 anos). A Raquel e a Cristina estão de férias na ilha das Quatro Estações e vão ajudar a rainha Titânia e o rei Oberon a encontrar as Sete Fadas do Arco-Íris que o Génio do Gelo enfeitiçou. Assim conseguirão devolver a magia do arco-íris ao País das Fadas…

“Tio Lobo”


Tio Lobo
É a história de uma menina gulosa, muito gulosa e do seu tio Lobo...
Autores: Xosé Ballesteros, Roger Olmos
Tradução: Alexandre Honrado
Editora: Kalandraka

“Tio Lobo” é um conto popular com tradição em países europeus como França e Itália. Trata-se de um texto politicamente incorrecto que introduz os primeiros leitores no mundo dos contos de terror. Uma história para ser contada em voz alta (e em companhia).

As ilustrações destacam-se pela sua expressividade, com personagens e cenas muito especiais. É uma atrevida aposta estética, devedora da linguagem cinematográfica. O humor está presente desde a primeira página, nesta narrativa de final surpreendente...

“Tio Lobo” foi seleccionado pela Internationale Jugend Bibliotek de Munich (Alemanha) para a lista ‘The White Ravens’ como um dos melhores livros editados em todo o mundo no ano 2001.

Excerto
-Vou preparar-te uns bolinhos de lamber os dedos.
Mas a mãe lembrou-se que não tinha onde fritá-los e disse-lhe:
-Vai a casa de Tio Lobo e diz-lhe que te empreste uma frigideira...



XOSÉ BALLESTEROS (Vigo, 1956)
Escritor, editor e especialista em literatura infantil. Ministra oficinas de escrita criativa para professores, estudantes e fãs de literatura. Publicou, entre outras obras, a novela "Talego" (Prémio García Barros de Novela 1993. Ed. Xerais) e "Viaxe á morada dos deuses" (Desafío 8000, 1999). No âmbito da literatura infantil e juvenil publicou a série "Os Gordibolas" (Ed. Xerais, 1996) e adaptou vários contos populares, como "O coelhinho branco" e "O traje novo do rei", publicados pela KALANDRAKA.

ROGER OLMOS (Barcelona, 1975)
Licenciado pela Academia de Artes Aplicadas de Llotja/Avinyó. Começou no mundo da ilustração realizando trabalhos científicos para ensaios e revistas especializadas. Actualmente dedica-se à ilustração infantil. Em 1999 foi seleccionado para o catálogo Bologna Children Illustration. “Tio Lobo” foi o seu primeiro álbum. Ilustrou também para a KALANDRAKA “O quadro mais bonito do mundo”.

TROMPA


sábado, 29 de setembro de 2012

"Outra Vez!"


Outra Vez!

de Emily Gravett
Edição/reimpressão: 2011
Páginas: 32
Editor: Livros Horizonte
Coleção: Álbuns

Sinopse
Eis o novo livro que a talentosa, multipremiada e famosa Emily Gravett, acaba de criar, depois de O Lobo não Morde e de O Grande Livro dos Medos do Pequeno Rato. Desta vez conta-nos uma história parecida com a que todos vivemos quando chega a hora de ir deitar, só que… com um Dragão! Está quase na hora de Cedric ir para a cama e de a mãe lhe ler o seu livro favorito. Mas, infelizmente para ela, ele gosta tanto daquela história que podia ouvi-la Outra Vez…. e Outra Vez… e Outra Vez… o que pode ter consequências incendiárias.

Emily Gravett


Em 2005, ganhou a Kate Greenway Medal, com “Wolves”, ainda estudante de arte. Repetiu a façanha em 2008, com “Little Mouse’s Big book of fears” (publicado no ano passado em Portugal pela Livros Horizonte como “Grande livro dos medos do pequeno rato”).
De jovem adolescente sem recursos, passando por uma vida semi-nómada na rua, juntando-se a um grupo de ativistas dos direitos dos animais, alimentando-se do que conseguia obter e trabalhando onde podia, até se tornar numa das autoras mais admiradas no panorama atual do álbum ilustrado para crianças, o caminho foi longo, penoso, de liberdade decerto, mas também de dureza e resiliência. Dava um filme, podemos pensar.

De facto, Emily Gravett mantém ainda um diário gráfico (o mesmo que, após muita insistência, exposto na sala de admissões da universidade, perante um júri exigente e tradicional, lhe abriria as portas para uma formação superior e uma carreira notável), no qual regista, quotidianamente, os acontecimentos felizes, extraordinários, notáveis, surpreendentes, os importantes e os sem importância alguma.
 Esses registos parecem servir um triplo propósito: por um lado, o desenho é, inequivocamente, o seu modo natural de expressão; depois, o registo gráfico funciona como artefacto pedagógico e educativo, oferecendo uma espécie de manual de lições de vida, para a filha; finalmente, a memória do passado que a não deixa repousar, as reminiscências de quem, enquanto ser renegado, vivendo à margem das convenções sociais, acabou por conhecer o lado mais obscuro da natureza humana.

A história:
a autora conta uma história parecida com a que todas as famílias vivem quando chega a hora de ir deitar...


Está quase na hora deste pequeno dragão ir para a cama, mas não sem antes a mãe lhe ler o seu livro favorito.
 Mas, infelizmente para ela, ele gosta tanto daquela história que podia ouvi-la Outra Vez….
e Outra Vez… 
e Outra Vez… 
 e Outra Vez…


Quem é que não se revê nesta história engraçada que tantas vezes acontece noite fora pela vontade dos nossos filhos!